Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mil fontes - os tipos da literatura portuguesa

Chegar novo a velho

novovelho.jpg

 

Magnésio. O mineral milagroso

 

Descoberto por Joseph Black nos arredores da cidade grega Magnésia, no mesmo ano do terramoto que devastou Lisboa, em 1755, o sulfato de magnésio, conhecido hoje como “sal de epsom” foi usado em tempos antigos como laxativo, prática que ainda se mantém nos dias de hoje. Presente em 350 enzimas diferentes no corpo, os mais importantes dos quais produzem, transportam, armazenam e utilizam energia, o magnésio regula ainda aspectos fundamentais do metabolismo celular tais como a síntese do DNA – ácido desoxinucleico e RNA – ácido ribonucleico, o crescimento e a reprodução celular...

 

Autor: Manuel Pinto Coelho

Editora: Prime Books

 

Livor disponível para consulta no “Espaço Farma”

Rua Custódio Brás Pacheco

Vila Nova de Milfontes

 

Bichos

bichos-MT.jpg

Mago respirou fundo. Abriu o nariz e encheu o peito de ar ou de luar, não podia saber ao certo, porque a noite era uma mistura de brisa e claridade. Mas fosse de frescura ou de luz a onda que bebera dum trago, de tal modo o inundou, que em todo o corpo lhe correu logo um frémito de vida nova. Esticou-se então por inteiro, firmado nas quatro patas, arqueou o lombo, e deixou-se ficar assim alguns instantes, só músculos, tendões e nervos, com os ossos a ranger de cabo a rabo. Arre, que não podia mais! Aquele mormaço da sala dava cabo dele. Punha-o mole, sem acção, bambo e morno como o cobertor de papa onde dormia. A que baixezas a gente pode chegar! Ah, mas tinha de acabar semelhante vergonha! Não pensasse lá agora a senhora D. Maria da Glória Saneia que estava disposto a deixar-se perder para sempre no seu regaço macio de solteirona. Não faltava mais nada! De resto, ali tinha já a primeira demonstração: ela a ressonar sozinha na cama fofa, enquanto ele enchia os pulmões de oxigénio e de liberdade. É certo que a deixara primeiro adormecer, e só então, brandamente, deslizara dos seus braços para o tapete e do tapete para a rua, através do postigo da cozinha. Uma questão de delicadeza, apenas. Porque, afinal, não havia vantagem nenhuma em fazer as coisas à bruta e ofender quem só lhe queria bem... Que diabo, sempre era a senhora D. Maria Saneia, a que até um fio de oiro lhe comprara para o pescoço! Que, considerando bem, por essas e outras é que chegara àquela linda situação...

Autor: Miguel Torga

Editora: Dom Quixote

 

Livro disponível para consulta na pet shop "Ladra mia & companhia" 

Arneiro do Gregório | entrada da vila 

Vila Nova de Milfontes

Abraço

abraco.jpg

 

A infância, o Alentejo, o amor, a escrita, a leitura, as viagens, as tatuagens, a vida. Através de uma imensa diversidade de temas e registos, José Luís Peixoto escreve sobre si próprio com invulgar desassombro. Esse intimismo, rente à pele, nunca se esquece do leitor, abraçando-o, levando-o por um caminho que passa pela ternura mais pungente, pelo sorriso franco e por aquela sabedoria que se alcança com o tempo e a reflexão. Este é um livro de milagre e de lucidez. Para muitos, a confirmação. Para outros, o acesso ao mundo de um dos autores portugueses mais marcantes das últimas décadas.

 

Autor: José Luis Peixoto

Editora: Quetzal

 

Livro disponível para consulta na loja "Litoral Cor"

Rua Custódio Brás Pacheco

Vila Nova de Milfontes

 

Do chinelo ao salto alto

chinelo-alto.jpg

Um guia prático e útil para responder a todas as perguntas que tinha sobre moda. «Na vida, aquilo que nos move é uma combinação de fatores que visam sempre o nosso bem-estar. Para nós, para ambos, o nosso bem-estar não é indissociável do dos outros, muito pelo contrário. Por isso, fazemos o que está ao nosso alcance para incentivá-lo e promovê-lo. O nosso objetivo não foi escrever apenas mais um livro; foi encontrar um formato que viesse preencher uma lacuna, por ausência, de uma ferramenta que dê resposta a inquietações que poderão ser de simples resolução. A imagem que temos de nós e que transmitimos aos outros é algo absolutamente fundamental nos dias de hoje. Muitos dos aspetos que a condicionam são pessoais e intransmissíveis, mas há outros que o acesso a uma informação fundamentada nos pode ajudar. Foi nesse sentido que desenvolvemos este trabalho e é com a maior satisfação que hoje disponibilizamos esta ferramenta.»

 

Autores: Pedro Crispim e Raquel Prates

Editora: Bertrand Editora

 

Livro disponível para consulta na loja de decoração e presentes "Cumplicidades decorações"

Arneiro do Gregório | Rua Principal (ao lado da loja de animais)

Vila Nova de Milfontes 

Ama-te

amate.jpg

 

"A minha vida é uma busca. Uma luta permanente pela auto-descoberta, pelo respeito das minhas vontades e pela melhor forma de doar aos outros tudo o que vou aprendendo. Acredito na eternidade. Em recomeços, nunca em finais; em lições, nunca em castigos; no melhor de cada um por muito mau ou pouco que seja, nunca na maldade gratuita ou no julgamento barato. Acredito que estamos ligados e que somos todos um só. Acredito no amor. Confio no poder da alma, na sabedoria da intuição e de que há sempre um caminho certo para todos. O meu, do qual me orgulho diariamente, acaba de completar mais uma etapa com a publicação deste livro. E que honra. E que gratidão. E que paz de espírito. Escrito em amor e partilhado com amor, que seja amado nas mãos de todos aqueles que querem, e de uma vez por todas, amar-se como nunca foram amados."

 

Autor: Gustavo Santos

Editora: A esfera dos livros

 

Livro disponível para consulta no "Pão, café & companhia"

Rua Custódio Brás Pacheco

Vila Nova de Milfontes

Citações e Pensamentos

agostinhosilva.jpg

 

Economia

Os economistas tiham sobretudo a obrigação de não nos andarem a calcular inflações e a taxa de juro e essas coisas, mas dizerem de que maneira é que nós podemos fazer avançar a gratuidade da vida. 

 

Educação

Por muito cuidado que se tenha, educar é podar; deixar crescer com toda a força o ramo que nos agrada. 

 

Revolução

A única revolução definitiva é a de despojar-se cada um das propriedades que o limitam e acabarão por o destruir, propriedade de coisas, propriedade de gente, propriedade de si próprio. 

 

Riqueza

Quanto trabalho me daria ser rico.

 

Autor: Agostinho da Silva

Editora: Casa das Letras

 

Livro disponível para consulta no "Snack Bar & Gelataria Paraíso"

Rua Custódio Brás Pacheco

Vila Nova de Milfontes

 

Absolutamente Tias

tias-AB.jpg

 

Este livro não é um livro, é um supélivro, tá a ver ? Só lhe digo que vai encontrar tudo o que a menina se tem perguntado a si própria sobre o que é ser Tia, e nunca conseguiu responder, ouça.

Imagine quer vai ficar a conhecer tudo quanto é sítio do melhor que há onde pode ver e ser vista, sei láRestaurantes, Cabeleireiros, Lojas e Assim.

Pode ler, nas orelhas deste livro, ou nas badanas como diz o povo, o que as minhas amigas, Tias do melhor que há em Portugal e em tudo quanto é estrangeiro acharam do livrucho.

Deixo-vos com um pensamento para a vida, do mais profundo que pode haver.

Estar vivo é o contrário de estar morto, e o vice-versa também funciona lindamente, tá a ver??

 

Autor: Ana Bola

Editora: Dom Quixote

 

Este livro está disponível para consulta na boutique "Eles e Elas" 

Rua Custódio Brás Pacheco

Vila Nova de Milfontes

Os Maias

osMaias.png

 

A casa que os Maias vieram habitar em Lisboa, no Outono de 1875, era conhecida na vizinhança da Rua de S. Francisco de Paula, e em todo o bairro das Janelas Verdes, pela Casa do Ramalhete, ou simplesmente o Ramalhete. Apesar deste fresco nome de vivenda campestre, o Ramalhete, sombrio casarão de paredes severas, com um renque de estreitas varandas de ferro no primeiro andar, e por cima uma tímida fila de janelinhas abrigadas à beira do telhado, tinha o aspecto tristonho de residência eclesiástica que competia a uma edificação do reinado da senhora D. Maria I: com uma sineta e com uma cruz no topo, assemelhar-se-ia a um colégio de Jesuítas. O nome de Ramalhete provinha decerto de um revestimento quadrado de azulejos fazendo painel no lugar heráldico do Escudo de Armas, que nunca chegara a ser colocado, e representando um grande ramo de girassóis atado por uma fita onde se distinguiam letras e números de uma data.

 

Autor: Eça de Queirós

Editor: Ulisseia

 

Livro disponível para consulta na “Gelataria DaPietro”

Rua Custódio Brás Pacheco

Vila Nova de Milfontes

 

Os Lusíadas

lusiadas.jpg

 

As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,

          Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;

 

Canto 1 – primeira estrofe

Autor: Luis Vaz de Camões

Editora: Porto Editora

 

Livro disponível para consulta no “Hotel Casa dos Arcos”

Rua dos Carris

Vila Nova de Milfontes

 

Cerro Maior

cmaior.jpg

A maior parte dos camponeses já havia feito as compras e enchera as vendas do largo. De quando em quando, atraídos pelas gargalhadas dos que estavam de fora, chegavam às portas.

O motivo do riso era a loucura mansa do aguadeiro, já bêbado, de fralda de camisa fora das calças, ajoelhado diante do burro.

O meu burro é um santo!

Cada domingo, a bebedeira trazia novos aspectos à doidice do Zé da Água. Perante as gargalhadas gerais, obrigava o burro a bater com as patas repetidas vezes no chão enquanto agitava ele os pés descalços, num compasso marcado.

Estavam a dançar o fandango. Por fim parou. Um sorriso alvar escorria-lhe do rosto e dos olhos aguadas e era, num momento, substituído por tal expressão de espanto que os olhos mortiços se lhe abriam atónitos.

Ganha-me o pão e ainda dança que nem um homem! Continua a falar e o animal segue-o, rua acima. As bilhas vão escorrendo, duas de cada lado da albarda. De súbito, Zé da Água salta e dá punhadas no peito, enquanto grita para o largo: É mais esperto que vocês todos juntos! Ajoelha de novo, põe as mãos e atira a voz para as alturas: Nosso Senhor mo guarde!...

 

Cerro Maior

Manuel da Fonseca – Editorial Caminho

 

Livro disponível para consulta no restaurante "Taberna do Gil" 

Rua Custódio Brás Pacheco

Vila Nova de Milfontes

 

Pág. 1/3